Juventude e Política

Pensar política não se resume a discutir, por alguns minutos, aquele quadro que passa todos os dias nos jornais das oito, entre a previsão do tempo e o futebol. O pensamento e a ação política estão presentes em tudo que se refere à nossa vida em sociedade, da maneira como nos relacionamos com a escola ou a cidade, à nossa noção de coletividade e responsabilidade social.

Esta é uma comunidade para quem é protagonista da sua própria história e quer pensar a política e agir a partir de sua escola, comunidade, cidade ou mesmo país.

Vídeo retrata os dias de impasse em ato contra reorganização escolar

Publicado em 18 de nov de 2015
A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo previa fechar 94 escolas e transferir 311 mil alunos ano que vem. Mas desde que a ideia foi anunciada, em setembro, tem havido protestos praticamente diários. Escolas foram invadidas por alunos, pais e integrantes de movimentos sociais.

Até a noite desta terça-feira (17), 33 escolas estaduais tinham sido invadidas, de acordo com a secretaria de Educação.

Escolas ocupadas em São Paulo - Reportagem da TV Folha

A reportagem da TV Folha visitou no dia 21 de novembro as escolas Fernão Dias Pais (Pinheiros), Salvador Allende (Itaquera), Brigadeiro Gavião (Perus) e o Cefan, em Diadema. 

Charlie Hebdo, uma charge intolerada ou uma piada de tolerância

 

                                                   

 

 

 

 

 

 

                          Rindo, corrigem-se os costumes

A juventude chinesa na luta por democracia

Discriminação à brasileira: de haitianos a nordestinos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Do medo do ebola à aversão ao Bolsa Família

...

Meritocracia, trapaça e depressão

"Lógica do sistema é permeada por monitoramento, medição, vigilância e auditorias (…) Destrói a autonomia, o empreendimento, a inovação e a lealdade e gera frustração, inveja e medo”

Malala é presenteada, por sua luta, pelas crianças sem presente

 

 

 

 

 

Juventude nas ruas: Os jovens podem provocar mudanças?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"A juventude está tão perdida que alguns dos meus amigos vão votar no candidato que acham menos pior", diz o estudante Lucas Araújo, de 18 anos, de Campina Grande (PB).

Onde estão os jovens eleitores? Eleições de 2014 contam com menos jovens nas urnas, diz TSE.

Recentemente o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou dados com o número de jovens eleitores com idade entre 16 e 17 anos, a faixa etária com o voto opcional, apresentando uma redução de mais de 30%, esses números registraram uma baixa em relação as eleições de 2010, onde houve a eleição de escolha dos “deputados estaduais, distritais e federais; senadores, governadores, e presidente da República.

Reflexão Caderno I - Educação como instrumento de controle sócioeconômico e dominação social

Ao percorrermos as breves linhas históricas sobre a evolução da educação e dos modelos institucionais de ensino apresentados no caderno I, podemos perceber de maneira geral, que embora nos diferentes períodos históricos, a educação sempre cumpriu um papel de controladora social a serviço dos interesses do Estado e das políticas econômicas.

Pesquisa aponta pouco interesse dos Jovens sobre a eleição para presidente

Pesquisa aponta que quase 30% dos jovens declaram possuir "pouco interesse" pelas eleições presidenciais. 

Você conhece o projeto JOVEM SENADOR?

O Jovem Senador é um projeto anual, que proporciona aos estudantes do ensino médio das escolas públicas estaduais e do Distrito Federal, de até 19 anos, conhecimento acerca da estrutura e do funcionamento do Poder Legislativo no Brasil.

A cada ano é proposto um tema de redação como forma de ingresso. A legislatura tem duração de três dias e inicia com a posse dos jovens senadores e a eleição da Mesa. Os trabalhos são encerrados com a redação dos autógrafos, aprovação dos projetos e a consequente publicação no Diário do Senado Federal.

Mapa mostra aumento e disseminação da violência no Brasil

Em 2012, 112.709 pessoas morreram em situações de violência no país, segundo o Mapa da Violência 2014. O número equivale a 58,1 habitantes a cada grupo de 100 mil, e é o maior da série histórica do estudo, divulgado a cada dois anos. Desse total, 56.337 foram vítimas de homicídio, 46.051, de acidentes de transporte (que incluem aviões e barcos, além dos que ocorrem nas vias terrestres), e 10.321, de suicídios.

trailer do documentário JUNHO

Na sinopse deste documentário, consta:O primeiro longa-metragem produzido pela Folha de S. Paulo mostra como as manifestações pela redução das tarifas de transporte público no país em junho de 2013, evoluíram até ganharem uma proporção mundial.Filósofos, historiadores, jornalistas e personagens do filme “Junho” propõem uma reflexão sobre as reais mudanças conseguidas pelo movimento e deixam a pergunta: Amanhã vai ser maior?

Creio que dada a relevância deste acontecimento, enquanto um fenômeno social, isolado ou não, vale a pena buscar compreendê-lo.

Entrevista com João Wainer, diretor do documentário JUNHO

Achei interessante essa entrevista de João Wainer, diretor do documentário “Junho – o mês que abalou o Brasil” que, mesmo sendo exibida num programa de humor, falou de questões bem relevantes acerca dos equívocos ou confusões, dos atores envolvidos nesses protestos, sobretudo por parte da polícia, dos governantes, e até mesmo pela mídia, ao tentarem entender e reagir acerca do que estava acontecendo. Vale a pena conferir. (também coloquei num outro post, o trailer do documentário)

Especialistas pedem recursos para jovens

O Brasil vive um “bônus demográfico” que, caso seja bem aproveitado, pode se transformar em um benefício comum a poucos países, como China e Índia. Trata-se de um universo de 21 milhões de adolescentes que, diante de um cenário favorável à inclusão no mundo do trabalho, poderá contribuir para o crescimento do país, com sua criatividade, força produtiva e aptidões. No entanto, é justamente a partir dessa faixa etária que o país registra os maiores índices evasão escolar.

Brasileiros devem aproveitar visibilidade da Copa em nome de urgências sociais

Achei interessante nessa matéria o fato de se tratar da opinião de um jornalista estrangeiro, no caso Jérôme Latta do jornal francês Le Monde, aconselhando os brasileiros a protestarem em relação à copa do mundo. Diz o jornalista:

Sem professor desde o início do ano, alunos fecham rua em frente escola

Falta de professores prejudica alunos que vão fazem o Enem no Acre.
'Queremos o direito de estudar', diz estudante do 3º ano do Ensino Médio.

As cotas para questionar o tal do Mérito

Divulgar conteúdo